quinta-feira, 8 de maio de 2014

Martins-RN

Igreja de Martins, um dos símbolos da cidade

A minha história com a cidade de Martins, localizada no Alto Oeste Potiguar, é recente e intensa. Quando lá estive pela primeira vez, em 2011 a trabalho, fiquei encantado com a beleza natural e as temperaturas amenas, bem abaixo da média em relação às demais cidades da região do semi-árido. Foi amor à primeira vista. Logo que o carro vence os 5 km de serra, uma subida ladeada por paisagens deslumbrantes, o clima se manifesta, o ar é mais puro, o povo simples e hospitaleiro olha curioso o veículo que não é da cidade. A vida passa devagar em Martins e tudo isso a somente 148 km de Mossoró, cidade onde moro, e a 375 km da capital do Rio Grande do Norte, Natal.

Atualmente Martins é um refúgio de tranquilidade, um contraste com a violência que assola Mossoró e suas temperaturas escaldantes. A cidade ainda é segura e tem baixíssimos índices de violência. Os policiais recolhem as viaturas às 18h, horário em que a temperatura começa a cair, mesmo assim é possível andar pelas ruas pouco movimentadas sem se preocupar. As pessoas comemoram aniversários, festas de noivado, etc...com os portões abertos e mesmo por volta das 23h, é um ótimo programa se sentar do lado de fora de uma lanchonete, conversar, beber uma cerveja, comer alguma coisa sem aquela sensação de insegurança que experimentamos nas cidades de grande e médio porte.

Noite em Martins: Friozinho

É por essas e outras que os Mossoroenses estão descobrindo Martins, um lugar onde se pode descansar e recarregar as energias ou então se aventurar em trilhas e passeios de bicicleta. Eu faço as duas coisas.

Onde ficar: Em Martins existe uma variedade de pousadas para todos os gostos e bolsos, se o critério principal não for conforto, são muitas opções. Caso o conforto seja exigência de primeira ordem o ideal é reservar quarto no Hotel SerranoChalé Lagoa dos Ingás ou La Chart Hotel ,todos eles têm mais ou menos o mesmo padrão de qualidade.

Mirantes: As melhores atrações de Martins são os seus mirantes, onde se pode apreciar toda a beleza da região serrana. São três: O mirante do Jacu também conhecido como mirante da Carranca, o Mãe Guilé e o Mirante do Canto, todos têm uma ótima estrutura e contam com serviços de bar, restaurante e wi-fi, o que muda é o visual. Para comer indico o Mãe Guilé, para uma visão deslumbrante o Jacu e o mais aconchegante, especialmente à noite, é o do canto. Vale a pena visitar os três, em todos os horários, claro.

Mirante do Jacu

Mirante do Jacu
Mirante do canto
Mirante do Canto

Casa de Pedra: Umas das maiores atrações da região é a casa de pedra, uma enorme caverna de 100m de comprimento, datada do período pré-cambriano. A casa de pedra é dividida em vários espaços menores, alguns muito profundos e escuros. Possui uma sala com 18 metros de comprimento por 12 de largura,  o teto alcança 10 metros de altura. No centro da sala maior há uma enorme "estalagmite" reconhecida oficialmente como a segunda maior do País. Há duas formas de se chegar à casa de pedra: Pela estrada, de carro, ou fazendo uma trilha. No primeiro caso uma estrada vicinal, antes de subir a serra de Martins, dá acesso a casa de pedra e o visitante pode ir de carro. A segunda opção é pra quem gosta de aventura, pois é preciso descer e subir a serra a pé por uma trilha bastante difícil e pesada. Eu preferi a segunda opção.

Trilha para a casa de pedra: 6 km ida e volta

Casa de Pedra
Casa de Pedra

Martins tem outras atrações, tem o festival gastronômico e mais trilhas para as cachoeiras da Umarizeira e o açude poções, mas são assuntos para outro artigo. Depois que eu me aventurar nas trilhas para as cachoeiras e participar do festival gastronômico, compartilho a experiência com vocês, porém, o bom mesmo é conhecer e curtir Martins-RN.

Nenhum comentário:

Postar um comentário